segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

VERSEI...


Tudo o que se vê, tudo o que se escuta
Tudo o que se cheira e sente
Tudo vira verso, nas mãos do poeta
Versejar é preciso! Versei. Voei...

Inventar verbos, dedilhar palavras esquecidas
Trilhar rumos incertos
Viajar nas curvas do poema
Tudo é poesia. Versei. Pulei...

Trajar véus de letras em tons coloridos
Despi-los e usar a alva pele como manto
Vestir, pintar, despir, descolorir
Tudo é poesia. Versei. Arremessei...

Sonhar a vida e não temer a morte
Aceitar o tempo, beijar sua mão
Gozar do instante, ser breve infinito
Tudo é poesia. Versei. Flutuei...



5 comentários:

Sandra Cajado disse...

Menina,o que é isso?

Bateu fundo aqui no peito as palavras versadas,sentidas e balbuciadas pela voz poética de Flávia Braun.

"Sonhar a vida e não temer a morte"

É isso mesmo!

Viva a vida!

Sem medo do amanhã.

Beijos.

Ana SS disse...

versei , voei com vc.

Danilo MM disse...

Tudo pode ser, são raros que reparam.

Alicia disse...

Voando por aqui...

Tatiana Kielberman disse...

Que bom que seus versos continuam soltos por aí, flutuando em nossos corações e preenchendo nossas vidas com amor!

Beijos, queridíssima!