domingo, 21 de outubro de 2012

Ausência



órfã de sonhos
insone sou
prisioneira da vigília
refém da solidão
nessa noite 
onde delírios habitam
 a ausência se insinua
mergulho na escuridão
trafego na imensidão
sem destino
ou direção
o corpo repousa
a mente voa
o coração sufoca
a lembrança aprisiona
o frio paralisa
presença palpável







sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Miragem









Mas era miragem
...
Eu fui miragem 
de mim mesma, 
contigo.
Existimos. 
Sempre.
Na tonalidade do sonho 
que vivo acordada.
Do nada,
descoloriu
...
Preto e branco.
Névoa
Voou
Areia
no deserto
ficou
...

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Tanto




...

tanto havia para ser
 e nada foi
tão pouco do que é
imenso se tornou
fulgaz e impalpável
com o vento levitou
tamanha incerteza
em vida 
transformou

...