domingo, 21 de outubro de 2012

Ausência



órfã de sonhos
insone sou
prisioneira da vigília
refém da solidão
nessa noite 
onde delírios habitam
 a ausência se insinua
mergulho na escuridão
trafego na imensidão
sem destino
ou direção
o corpo repousa
a mente voa
o coração sufoca
a lembrança aprisiona
o frio paralisa
presença palpável







Um comentário:

Dulce Miller disse...

Flavinha, que o Natal seja mais um momento em que todas as pessoas acreditem que vale a pena viver um Ano Novo. Boas festas, abraços de muita luz e paz! :)