domingo, 31 de outubro de 2010

BRINDEMOS


“Errar é humano”, não me engano.

E permito perdoar-me; não quero ser carrasco de mim mesmo.

Sou passível de dúvidas, de incertezas, de enganos...

Sim, sou refém de minhas vontades e paixões

Mas também sei acordar, na hora que preciso for

Mesmo querendo para sempre me perder

Nos braços dessa devastadora ilusão

Se me dessem a chave dos desejos

Poderia para sempre te viver

Ter teus beijos e teus abraços a me querer

Pensamento teu, me tomar conta

Ter minha vida em tuas mãos...

Mas não morro de sofrer, se não o for

Vida não é pra controlar

É preciso saber caminhar

Vou em frente, mesmo que sinta falta

Mesmo querendo te (re)conhecer

Saber-te mais do que foi possível no breve instante

Do dia que em ti esbarrei...

Um dia, uma semana, um ano

Tudo bem

Vamos ali, no bar

Bebemorar à vida ...


À amizade , ao laço fraterno


Da poesia que nos une


Da sede de sentir a imensidão das palavras


Vamos beber , sim, ao mundo ,


Às pessoas, ao eterno não saber.


Vamos fazer um brinde:


Brindemos a tudo que nos faz aprender.


Eu quero viver!


TIM-TIM!!!

3 comentários:

Tatiana Kielberman disse...

Flavinha, amada poetisa das palavras mais lindas...

Brindemos, sempre!

A vida espera por nós AGORA! Ela está aí à nossa disposição!

Eu também quero muito viver e te dou a mão nessa jornada!

Beijocas!

Du disse...

Hoje não estou pra comemorar nada além do teu poema.
Tim, tim, seja como for, qualquer dia desses por aí...

Viviane Junqueira Ayres disse...

Nossas historias devem ser muito parecidas... me senti em todos seus poemas...em suas palavras...

Que o laço continue...pra mim...pra ti...

bjinhos

Vivi
http://cirandasaosol.blogspot.com