segunda-feira, 25 de outubro de 2010

SOU DO VENTO


Não venha querer me prender
Nas amarras de tua verdade
Nas barreiras de tua vontade
Eu sou assim, não adianta
Tenho minhas verdades
Minhas incertezas
Minhas vontades
Não queira me ditar regras
Me impor condições
O verdadeiro amor nos faz livres
Pra voar e retornar ao ninho
Liberdade que falo é a que prende
Sem imposições, só ao amor
Essa é minha visão, meu jeito de ser
Não venha querer me prender!
Me entrego ao amor verdadeiro
Quando tiver a certeza e sentir
Mas tenho o meu tempo,
Meu relógio
Não me venha impor tua hora
Não sou do teu agora
Tenho minha liberdade pra escolher
Na hora que eu quiser
Assim como tu também.
Sou minha, sou do vento!
Sou do amor que me preencher
No momento e na hora certa
Não me venha com essas palavras
Do teu dicionário incompleto
Sou do jeito que sou:
Posso mudar de idéia
Na hora que precisar
Eu escrevo e falo o que penso e sinto
Não minto
Não peço perdão pelo que digo
Porque essa sou eu
Sou de verdade
Minha essência é sinceridade
Não me peça pra mudar quem eu sou.
Sigo a minha estrada
Se é a mesma tua,
Não sei.
Não lamento:
Sou de lua, sou da vida,
Sou do vento!




7 comentários:

Du disse...

Lindo de verdade, poema da libertação!

Nanda disse...

E essa coisa de ser da lua abre um 'leque' de possibilidades né?

lindo querida!

beijos

Tatiana Kielberman disse...

Oi Flavinha,

Sempre gosto de passar por aqui, pois sei que encontrarei textos leves, lindos e que propiciam grande reflexão!!

Que bom que você pode ter essa liberdade de "ser do vento"... É um privilégio muito grande e eu te admiro por isso!

Estou adorando conhecê-la um pouco mais!

Beijos, querida!

Flávia Braun disse...

O que quero dizer com isso, Tati, é que não posso me guiar pelas regras estabelecidas pela outra pessoa, se estas estão em desacordo com meu modo de ser.... quem ama aceita o outro como ele é.
Eu , quando amo, sou assim!
E , então, me prendo, de uma forma libertadora.
Eu, pelo menos, tento...

Vanilla disse...

Realmente, como disse a Du é um poema de libertação...
Eu preciso das tuas palavras no meu blog?!
Posso hehehe
Depois passa por lá!
Vou postá-lo agora mesmo!
Minha libertação chegou, talvez não do modo como a sua, mas não deixa de ser libertação!
bjsss

Flávia Braun disse...

Olha Vanilla, não sei se me libertei tanto assim...mas o que escrevo também é meu desejo....
Pode colocar lá sim1 bjussssssssss

Bruna disse...

Quando és da alegria, de alegrias desfrutas.
Quando és da tristeza, tristezas sofres.

Mas quando és do vento...

... És todos os mistérios do mundo!


p.s.: Eu também prefiro ser do vento do que de qualquer outra coisa! ;*