segunda-feira, 14 de março de 2011

Nascimento



Nas raízes que vejo no chão
Emergindo versos em folhas vivas
Sinto o cheiro suave da criação
Transpondo sentimentos que cá dentro abrigo
Que correm em minhas veias
Como seiva em árvore de amor
Que banham minha pele
Como chuva perfumada de verão
Gestando letras
Parindo versos
Aninhando poemas
Ninando filho tão desejado
Vendo crescer a poesia
Frente aos meus olhos marejados
De lágrimas de amor pela cria
De gotas de pétala alegria
Choro lascívia gozo euforia
Enfim, nasceste:
Minha tão desejada poesia!

2 comentários:

Tatiana Kielberman disse...

Hummm...

Eu li isso em algum lugar e é maravilhoso!

Beijos, querida!

Flávia Braun disse...

Sim, Tati!
Esse foi escrito especialmente pro Retratos da Alma!!
Gosto muito dele, por isso quis 'semeá-lo' aqui!
bjssss , amada!