sexta-feira, 15 de abril de 2011

Delírios da noite




na noite
ela acorda
ela grita
ela xinga
ela chora
ela emudece
ela sente
profundamente
sente na pele
sente no olhar
sente na boca
o gosto
na cabeça
a lembrança
na mente
demente
semente
ele mente
somente
delírio
e ela dorme
e ela sonha
sem dormir
ela sonha
nao dorme
insônia
palpável
insônia
tátil
ela toca
o rosto
do sonho
lá longe
o sono
na mente
demente
ela mente
deseja
sente
senta
insensata

3 comentários:

Sandra Cajado disse...

Mas no delírio da noite...

Ela sonha e brinca...

Escreve e pinta...

Com letras vermelhas

Com sabor e paixão...

Parece até tatuagem na alma ,cujas asas estão ocultas pronta pra voar a qualquer momento.

E voa sem asas,

Feito bailarina na ponta do pé...

Uma mistura de valsa e poesia com fé...

Fé em si mesma porque na mente dela,a menina ,ninguém entra e é assim que a liberdade toma conta das mãos que transcorrem as letras do poema, cuja melodia vem em forma de delírios que são companheiros da noite soturna.

Beijos

Flávia Braun disse...

Que lindo Sandrinha...
Acho que me entendes, de alguma forma ( difícil, geralmente nem eu me entendo - essa minha mente demente... )
beijos, amada!

Olho no olho disse...

O desejo é fome, é necessidade. Sonhar é a forma de manter o desejo vivo e estando vivo ele poderá ser saciado.