quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Meio Dia


Meio dia
outro lado da meia noite

Moeda do tempo
Cara e coroa
Jogam-se os dados
Destinos ou acasos
Tempo transpassa
Vento assopra
Ouvidos de temporal
Meia verdade
Meia metade
Meia vontade
Completo torpor
Vendaval interior
Tic tac sem parar
Assombrando mente insana
À procura de resposta
Avião sem rumo
Barco sem proa
Vida sem prumo
Segue a deriva
Tic tac tic tac
Seguem os ponteiros
Meio dia
Meia noite
Dia inteiro
Noite vazia



4 comentários:

Danilo MM disse...

Não há metade verdadeira. Tudo sempre faz parte de um mesmo coração.

Sandrio cândido. disse...

O tempo é talvez a unica coisa que o ser humano não controla, pois o tempo é mais que meros ponteiros de alguns relógios.
abraços

Monica disse...

Uma meia noite perdida no meio do dia feito com meia prosa em meio a poesia. No contar das horas nasce poética a sua magia da vida que não se passa, do sonho que se reinicia. :])

Beijos

@monicacompoesia

Tatiana Kielberman disse...

Flavinha, querida...

Adoro seus versos e sinto saudade quando eles demoram a surgir de novo na telinha!!

Volte, volte... as noites ficam vazias quando você não está!

Beijocas!!