sábado, 13 de agosto de 2016

O que seria do poeta sem a ausência?



o inexistente 
é uma questão
de ótica.

afinal,
o que seria dos poetas
se não houvessem
as ausências?

quais sonhos
teriam,
pobres poetas,
se não 
lhes faltasse 
o beijo imaginado?

que horizonte veriam
esses poetas
sem os olhos
marejados 
de ausências 
em suas miragens?

ausência
é uma dádiva
pro poeta
que emana os silêncios
escritos em todos os
seus poros...


(foto: google)






Um comentário:

Anônimo disse...

Oi Flávia,
inspirado poema em tua volta aos versos,
realmente... ausência não é inexistência,
é presença dentro de si...

abraço, Pedro


AUSÊNCIA
de Martha Medeiros

não faz diferença
se você vem amanhã
ou não vem
desisti de esperar
por alguém
cuja ausência
me faz companhia